Notícias Locais

Mesmo com determinação da Justiça, idosa de 90 anos aguarda em corredor de hospital para fazer cirurgia em MS

Ela ficou 15 dias internada em Paranaíba aguardando transferência para hospital em Três Lagoas. A idosa quebrou o fêmur e por conta demora, está tendo complicações, diz neta. Família diz não ter condições de pagar cirurgia avaliada em R$ 30 mil em MS Reprodução/Arquivo Pessoal Joana Maria da Silva, de 90 anos, foi transferida do hospital de Paranaíba na manhã desta quarta-feira (13) para Três Lagoas, no leste do estado, após esperar 15 dias internada em um hospital enquanto aguardava vaga na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Com liminar da Justiça, a idosa estava com cirurgia marcada para hoje às 7h (de MS), mas, até o momento, espera no corredor. De acordo com a neta, Ariane Silva Gomes, a avó chegou no local antes do combinado e a informação que recebeu é que seria impossível realizar o procedimento. “Disseram que tinham três pessoas na frente dela e que a vaga não estava disponível. Mesmo pagando, não teria como fazer a cirurgia”, explica ao G1. Ariane conta que a avó sofreu uma queda dentro de casa e fraturou o fêmur. “Por conta da demora, ela está tendo complicações e nós não temos condições de pagar a cirurgia, avaliada em R$ 30 mil. Enquanto isso, ela fica aguarda o leito sem previsão”, lamentou a neta. Segundo Ariane, o incidente com dona Maria aconteceu há 20 dias e por conta da gravidade, procurou a Justiça, que no dia 4 de junho, deu uma liminar de urgência para o procedimento cirúrgico. De acordo com a Defensoria Pública de Paranaíba, já houve o despacho do pedido para cumprimento da decisão.

Agente penitenciário de MS é preso em ação contra grupo envolvido em tráfico de armas, de drogas e roubos

Operação Paiol é realizada em 4 cidades, sendo 3 de Mato Grosso do Sul e uma de Goiás. Um dos presos na operação Paiol, deflagrada pela PM e Gaeco Osvaldo Nóbrega/TV Morena Um agente penitenciário de Mato Grosso do Sul está entre os presos na operação Paiol, deflagrada nesta terça-feira (12), pela Batalhão de Choque; Batalhão de Operações Especiais, ambos da Polícia Militar, e Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Conforme a polícia, o servidor estadual e mais dois alvos foram presos em Campo Grande. Um deles é esposa do detento apontado como um dos chefes do PCC no estado e líder das rebeliões ocorridas em 2006, e um segundo homem. De acordo com o Gaeco, o objetivo da operação Paiol é cumprir 27 mandados de prisão preventiva e 12 de busca e apreensão, todos contra pessoas suspeitas de envolvimento com tráfico de armas, de drogas, roubos e lavagem de dinheiro. Os mandados são cumpridos na capital sul-mato-grossene, em Nova Andradina, Corumbá e Águas Lindas de Goiás (GO). Segundo informações do Gaeco, a operação Paiol é resultado de investigações que começaram em junho de 2017. Desde então, sete pessoas foram presas por tráfico e porte de arma de fogo de uso proibido. Também em um ano foram apreendidos 300gr de skank, 343 munições e cinco armas, entre elas uma submetralhadora calibre 9 milímetros e um fuzil. Conforme o Gaeco, os suspeitos eram responsável por adquirir armas de fogo, guardá-las, comercializá-las e emprestá-las a integrantes para cometimento de crimes. O nome da operação refere-se ao nome que os suspeitos davam para referirem-se ao local onde são armazenadas as armas deles. Polícia com preso da operação Paiol, em Campo Grande Osvaldo Nóbrega/TV Morena

Após redução no RJ e MS, outros 3 estados avaliam baixar ICMS do diesel

Governos do Acre, Amapá e Sergipe avaliam uma redução das alíquotas do tributo. Já 17 estados e o DF descartam a possibilidade; piso de 12% só pode ser reduzido com autorização do Confaz. Preço médio do diesel caiu R$ 0,35 na última semana. Andréa Resende/ G1 Além do Rio de Janeiro e de Mato Grosso do Sul, que reduziram neste mês a alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre o diesel, outros 3 estados avaliam uma diminuição do tributo, segundo levantamento do G1. São eles: Acre, Amapá e Sergipe. (Atualização: Inicialmente, esta reportagem informou que o Espírito Santo também avalia uma redução do ICMS sobre o diesel, condicionada a um esforço nacional de revisão dos tributos que incidem sobre o combustível. A informação havia sido fornecida pela assessoria de imprensa da Secretaria da Fazenda do Estado. Após a publicação, o titular da pasta, Bruno Funchal, disse que não avalia redução do ICMS pois o Espírito Santo já pratica a menor alíquota permitida. Segundo ele, o Estado defende "um esforço nacional para a discussão da alíquota e que todos os estados pratiquem os 12%, que haja uma convergência". A reportagem foi atualizada às 10h45). Segundo o Ministério da Fazenda, os estados têm autonomia para decidir suas alíquotas do ICMS a partir de um piso de 12%. Para reduzir este percentual, o estado deve fazer um pedido de autorização no Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) via assembleia legislativa ou proposta de convênio. O governo do Rio de Janeiro reduziu a alíquota de 16% para 12%. Já em Mato Grosso do Sul, o percentual caiu de 17% para 12%. A mudança nesses estados aconteceu após a greve dos caminhoneiros em meio a compromissos assumidos pelos governos para reduzir o preço do diesel e garantir o fim das paralisações. Das 27 unidades da Federação, 18 descartam a possibilidade de avaliar uma redução das alíquotas sobre o diesel, citando sobretudo falta de espaço fiscal para abrir mão desta arrecadação. Outros 4 estados não responderam. Atualmente, as alíquotas de ICMS para o diesel variam no país de 12% a 25%. Essa diferença de tributação é um dos fatores que explicam a variação de preços dos combustíveis entre os estados. A alíquotas mais altas são as do Amapá (25%) e Maranhão (20%). A mais baixa, de 12%, é praticada atualmente por 7 estados: Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Em 3 estados, o ICMS foi elevado no ano passado: na Bahia, a alíquota subiu de 17% para 18%; em Goiás, de 15% para 16%, e no Piauí, de 17% para 18%. ICMS sobre o diesel Rodrigo Cunha/Editoria de Arte O que dizem os governos No Amapá, que possui a maior alíquota do país para o diesel, de 25%, o governo estadual já anunciou a intenção de reduzir o percentual de ICMS para 17%. Mas ainda não há uma data prevista para a mudança e redução depende da aprovaçã de de projetos compensação tributária pela Assembleia Legislativa. No Acre, governo estadual afirmou estar aguardando "anúncios de medidas compensatórias da União" para tomar uma decisão. No Sergipe, o governo não descarta uma redução do ICMS, mas defende um debate com outros estados da região e municípios, além de uma "compensação financeira". Preço de referência do diesel sobe em sete estados Preço de referência do diesel também em discussão Segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgado na sexta-feira (8), o preço do diesel nos postos ainda não refletiu o desconto de R$ 0,46 anunciado pelo governo. O valor médio do litro nas bombas caiu de R$ 3,828 para R$ 3,482 na semana, um recuo de R$ 0,35. Entenda as medidas anunciadas pelo governo para reduzir o diesel Nos últimos dias, o governo passou a admitir que pode demorar para que todos os estados consigam repassar o desconto de R$ 0,46 e decidiu pressionar estados para a redução imediata do preço de referência sobre o cálculo das alíquotas do ICMS, segundo informou o Blog do Camarotti. No final de maio, durante as medidas em discussão para tentar por fim à greve dos caminhoneiros, 13 governadores recusaram a proposta da equipe econômica do governo federal para reduzir em R$ 0,25 a base de cálculo do ICMS sobre o diesel, o que poderia levar a uma queda de R$ 0,05 no preço do litro nos postos. Nesta 1ª quinzeza de julho, o preço de referência do diesel usado pelos governos estaduais para a cobrança do ICMS subiu em 7 estados, na comparação com o período entre 16 e 31 de maio, o que dificulta que o desconto de R$ 0,46 chegue imediatamente até as bombas de todos os postos do país. Calculado quinzenalmente, o chamado Preço Médio Ponderado ao Consumidor Final (FPMPF) é resultado da média do preço praticado nos postos de cada estado. Apenas em 4 estados, houve queda no preço de referência do diesel após a greve: São Paulo, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul e Paraná, o que contribui para o repasse do desconto para o preço cobrando nas bombas nestes estados. Destes estados, entretanto, apenas o ES antecipou o desconto de R$ 0,46. Em SP, a queda foi de R$ 0,37; no Paraná, diminuição de R$ 0,25; e no MS, redução de R$ 0,08. Nesta segunda-feira, o preço de referência que valerá a partir do dia 16 caiu somente em 3 estados a partir da 2ª quinzena de junho: Alagoas, Paraíba e Tocantins. Ministro admite que desconto do diesel deve demorar um pouco mais a aparecer nas bombas Na quarta-feira (6), o ministro admitiu que a redução de R$ 0,46 no preço do litro do diesel para o consumidor "não é imediata", mas disse que isso deve acontecer até o dia 15, quando se espera que a redução de R$ 0,46 nas refinarias já se reflita no preço de referência para a cobrança do ICMS. Peso do ICMS no preço Antes da eliminação da incidência dos tributos Cide e da redução de PIS-Cofins sobre o diesel anunciada pelo governo, o peso do ICMS sobre o preço final do combustível era de 14%. O restante era dividido pelo preço cobrado pela Petrobras (55%), custo do biodiesel (7%), que compõe 10% do diesel; custos e lucro dos distribuidores (11%) e Cide e PIS/Cofins (13%). A Petrobras ainda não informou a nova composição de preços com a retirada do imposto. O desconto de R$ 0,46 é resultado da subvenção do governo, que compensará a Petrobras, equivalente a R$ 0,30, e da eliminação da incidência dos tributos Cide e da redução de PIS-Cofins sobre o diesel, equivalente a R$ 0,16. Estados falam em perda de arrecadação Nos estados em que os preços de referência foram mantidos após o fim da greve, os governos falam em perda de arrecadação e em dificuldade de reduzir os valores da tabela. O governo de Pernambuco, por exemplo, diz que decidiu manter para todo o mês de junho o valor de R$ 3,38, e que o correto seria R$ 3,54. "Isto acarretará em uma perda de arrecadação de R$ 3,5 milhões", informou. Já o governo do Rio Grande do Sul informou que segue utilizando a tabela de abril (R$ 3,35), com um valor 25 centavos abaixo do preço médio do diesel no estado. "A medida significa que o estado deixará de arrecadar algo ao redor de R$ 11,2 milhões ao mês", afirmou. Procurado pelo G1 e questionado sobre as conversas com os governos estaduais em relação às alíquotas de ICMS e base de cálculo do imposto, o Ministério da Fazenda respondeu que "não vai comentar". *Participaram do levantamento: G1 AC, G1 AL, G1 AM, G1 AP, G1 BA, G1 CE, G1 DF, G1 ES, G1 GO, G1 MA, G1 MG, G1 MS, G1 MT, G1 PA, G1 PB, G1 PE, G1 PI, G1 PR, G1 RJ, G1 RO, G1 RN, G1 RR, G1 RS, G1 SC, G1 SE, G1 SP e G1 TO.

De 88 postos de diesel em lista da ANP, 66 não deram desconto de R$ 0,46 até esta quarta

Levantamento do G1 em todo o país revela que maior parte dos postos consultados não aplicou desconto no combustível prometido pelo ministro Eliseu Padilha, tampouco a redução de R$ 0,41 --valor real segundo a entidade que representa as distribuidoras. Maioria dos postos não deu desconto de R$ 0,46 Alexandre Mauro/G1 Novo levantamento do G1 nesta quarta-feira (6) em 88 postos de combustível de todos os estados do país aponta que 66 deles (75%) continuam a não repassar ao consumidor o desconto imediato de R$ 0,46 no preço do diesel – que o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) havia prometido para a segunda-feira (4). Outra conclusão é que 62 postos (70%) nem sequer ofereceram o desconto de R$ 0,41, que, disse Padilha nesta quarta, é o valor que já poderia ser praticado por aqueles que compraram combustível a partir de sexta-feira (1º). Os R$ 0,41 haviam sido apontados pela Plural como o valor real de desconto na bomba. A entidade representa as maiores distribuidoras de combustíveis do país. O desconto de R$ 0,46 foi uma das medidas que o governo Michel Temer tomou para tentar colocar fim à greve de caminhoneiros, que bloqueou estradas e causou desabastecimento em quase todo o país. Para a Plural, faltou "transparência" do governo ao anunciar os R$ 0,46. Em um levantamento feito no G1 na segunda-feira, 90% dos postos consultados não haviam dado o desconto de R$ 0,46. O dado, entretanto, não é comparável com os desta quarta-feira, pois a lista não tem a mesma quantidade de estabelecimentos consultados e de estados. Os postos argumentam, na maioria dos casos, que os estoques ainda são antigos. Postos têm que exibir preço do diesel antes e depois da greve Metodologia O G1 levou em consideração postos de combustíveis que integram o levantamento semanal da Agência Nacional do Petróleo (ANP). Foram verificados os valores do diesel e do diesel S-10 (obrigatório para veículos fabricados a partir de 2012). A ANP consulta ao todo cerca de 5.900 postos semanalmente. Repórteres em todo o país consultaram os postos nesta quarta para conferir os preços e compará-los aos praticados entre 14 e 21 de maio, este último o dia em que a greve começou. O levantamento diz respeito aos todos os 26 estados do Brasil, além do Distrito Federal. Nos estados: Acre Em três postos do Acre, nenhum tinha aplicado desconto de R$ 0,46 no diesel ou no diesel S-10. Um deles até aumentou o valor do diesel em R$ 0,010. No locais que reduziram o preço, o desconto variou de R$ 0,01 e R$ 0,17. No estado, o diesel passa de R$ 4. Os gerentes de postos dizem que já estão repassando os descontos. Alagoas O maior desconto no diesel S-10 encontrado em cinco postos de Alagoas foi R$ 0,36. Em nenhum deles, a redução chegou a R$ 0,46. A reportagem do G1 chegou a encontrar o diesel R$ 0,04 mais caro do que o verificado pela ANP entre 14 e 21 de maio. Segundo a gerente, os produtos chegaram na segunda (4) com desconto de apenas R$ 0,26. Amapá Em Macapá, foram encontrados dois postos com diesel R$ 0,46 mais barato. E outro que oferecia desconto de R$ 0,44 – dentro do valor esperado pelo governo para esta semana. Ainda assim, outros dois locais vendiam o combustível com desconto menor do que o anunciado, entre R$ 0,18 e R$ 0,31. Em relação ao diesel S-10, dos sete postos consultados, apenas dois tinham desconto acima de R$ 0,46. Amazonas Em Manaus, dois postos consultados tinham apenas diesel S-10 – em nenhum deles o desconto atingiu o anunciado pelo governo, ficando entre R$ 0,16 e R$ 0,18. O preço do diesel estava entre R$ 3,57 e R$ 4. Os gerentes não foram encontrados para comentar. Bahia Em um posto de Salvador, o diesel estava R$ 0,34 mais barato nesta quarta, sendo vendido a R$ 3,35. O preço visto em 14 de maio pela ANP e na última segunda-feira (4) pelo G1 era R$ 3,69. Ceará Em Fortaleza, dois postos consultados reduziram o preço, mas abaixo dos R$ 0,46. Um terceiro aumentou o valor em relação ao levantamento da ANP. Distrito Federal No único posto consultado no DF não havia diesel, apenas diesel S-10, ao valor de R$ 3,730 – R$ 0,26 mais barato do que o preço verificado entre 14 e 21 de maio. No dia 14, a ANP havia verificado o preço de R$ 3,990 pelo diesel S-10 nesse posto. “Para evitar contratempo, desgaste desnecessário, a gente já reduziu. Alguém vai ter que bancar essa redução que teve", disse o gerente Alexandre Menezes. Espírito Santo Em Vitória, dois postos reduziram o valor do diesel após determinação do governo. Apenas um deles deu o desconto de R$ 0,46. Goiás Dos cinco postos de Goiânia consultados, dois tinham aumentado o valor do diesel em R$ 0,10. Funcionários de um deles informaram que ainda não receberam novos carregamentos de diesel, por isso, o preço ainda não foi alterado. O Procon afixou cartazes nas bombas explicando que ainda não havia redução do preço devido à data da compra do combustível. Mesmo entre postos que reduziram o valor, o desconto não chegou a R$ 0,46 – variou de R$ 0,10 a R$ 0,18. O gerente de um deles, Marco Antônio de Castro, explicou que recebeu novo carregamento com um preço menor e repassou a diferença de R$ 0,20 para o consumidor. No entanto, ainda não teve como diminuir os R$ 0,46 por litro. "A redução que chegou, nós passamos. O Temer disse que reduziu R$ 0,46, mas antes de chegar ao consumidor, passa pelo governo estadual, a redução que chegou até nós já foi repassada", explicou. No local foi colocada uma placa informando sobre a redução no preço. Apenas dois postos tinham diesel S-10 nesta quarta: um deles aumentou o preço em R$ 0,06 e outro reduziu em R$ 0,30. Maranhão Em um posto visitado em São Luís, o diesel S-10 está com preço menor, mas abaixo dos R$ 0,46. O estabelecimento informou aguardar a chegada de mais remessa de combustível para zerar o estoque atual e baixar o valor do diesel comum. Mato Grosso No estado, os descontos não passaram de R$ 0,10 no diesel, em cinco postos consultados. Um deles até aumentou o valor em R$ 0,39, em comparação com os dados da ANP de 14 a 21 de maio. Em relação ao diesel S-10, os descontos variaram entre R$ 0,05 e R$ 0,15. Mato Grosso do Sul O posto visitado em Campo Grande aumentou o preço do diesel (R$ 3,798, contra R$ 3,679 do levantamento da ANP). A informação no local é que o estoque ainda é antigo. Minas Gerais Um posto de Belo Horizonte tinha aumentado o diesel S-10 em R$ 0,19. Segundo o gerente, o preço é fixado pela rede. Em outro posto na mesma cidade, o combustível tinha um desconto de R$ 0,21. O gerente disse que, à medida que compra o combustível mais barato da refinaria, faz o repasse para o consumidor. Pará Nos três postos consultados no Pará nesta quarta, o diesel S-10 estava mais barato, mas o desconto não chegou ao valor indicado pelo governo. A redução variou entre R$ 0,099 e R$ 0,300. O maior valor encontrado do litro do combustível foi R$ 3,899. Os locais consultados não tinham diesel comum nas bombas. Paraíba Em João Pessoa, o posto visitado reduziu o preço do diesel S-10 em R$ 0,16 em relação ao levantamento da ANP. O gerente do estabelecimento informou que o novo estoque já recebeu o desconto. Paraná O G1 PR checou os dois postos. Em um deles, o diesel estava R$ 0,309 mais caro do que no período 14-21 de maio, e o diesel S-10 estava R$ 0,051 mais barato. A atendente da loja de conveniência informou que o posto ainda não baixou o preço, pois depende de orientação de uma central. Antes da paralisação, o posto vendia o diesel a R$ 3,35 e o diesel S10 a R$ 3,45. Outro posto de Curitiba aplicou um desconto de R$ 0,080 sobre o diesel e R$ 0,24 sobre o diesel S-10 – valores inferiores ao prometido pelo governo. O gerente do posto informou que está baixando o preço conforme redução na distribuidora. Segundo ele, a distribuidora ainda não repassou o desconto de R$0,46. A média do desconto repassado é de R$ 0,20. Pernambuco Apenas um dos três postos visitados tinha reduzido o diesel S-10, em R$ 0,11. Um manteve o mesmo valor de 16 de maio, e outro subiu em R$ 0,09. Piauí Em Teresina, um posto reduziu o diesel em R$ 0,45 e o diesel S-10 em R$ 0,50. Rio de Janeiro Dos cinco postos consultados, apenas um chegou ao desconto de R$ 0,46 – o Posto Reginas, no Caju. No dia 21, o preço estava em R$ 4,079. Na segunda (4) passou para R$ 3,59. O Procon esteve no local e viu que o desconto era até maior do que o anunciado pelo governo. Então, o dono do posto subiu para R$ 3,619. O gerente Luís Henrique dos Santos exibiu documentos para comprovar o caso. Nos demais postos, o desconto variou entre R$ 0,26 e R$ 0,36. Rondônia Um dos postos em Porto Velho verificados aumentou o preço do diesel e do diesel S-10, outro os manteve idênticos e um reduziu, mas abaixo dos R$ 0,46. Rio Grande do Sul Um posto de Porto Alegre tinha diesel R$ 0,45 mais barato nesta quarta, vendido a R$ 3,339. Em quatro postos da cidade onde havia diesel S-10, três reduziram o valor acima de R$ 0,35. Um deles manteve o mesmo preço. Dois dos postos afirmaram que ainda estão com os estoques antigos, e aplicaram desconto por conta própria na bomba. Rio Grande do Norte Um dos postos de Natal deu desconto de R$ 0,43 S-10 em relação ao levantamento da ANP e de R$ 0,38 no diesel comum. O outro abaixo menos de R$ 0,30 --desconto, segundo o estabelecimento, equivalente ao preço de compra no distribuidor. Roraima Em Boa Vista, o posto consultado reduziu o valor do diesel S-10 exatamente em R$ 0,46. São Paulo Dos seis postos visitados na capital paulista, apenas um tinha diesel – e ele estava R$ 0,70 mais barato. Cinco tinham diesel S-10 e todos estavam com preços reduzidos. Os descontos variam entre R$ 0,45 e R$ 0,74. Um dono de posto reclamou que distriuidora deu desconto de apenas R$ 0,41 e ele tem de dar R$ 0,46. Diz que está trabalhando com margem de lucro de R$ 0,23 e antes trabalhava com R$ 0,30. Segundo ele, descontadas as taxas de cartão com que o cliente faz a compra e funcionários, zera o lucro. A reportagem também visitou 22 postos no interior de São Paulo, nas seguintes cidades: Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Sorocaba, Bauru, Itapetininga, Campinas e Piracicaba. A maioria tinha dado um desconto acima de R$ 0,46 ao diesel. Apenas três deram descontos menores (entre R$ 0,03 e R$ 0,32). Em relação ao diesel S-10, todos os postos que tinham esse combustível baixaram o valor conforme o anunciado pelo governo, ou até mais. Santa Catarina O posto consultado deu desconto de R$ 0,35 no diesel S-10, por iniciatia própria, e que pressiona distribuidora e governo para que repassem o desconto total. Sergipe No posto visitado em Aracaju, o desconto foi de R$ 0,22 no diesel S-10. O estabelecimento informou que a redução na Petrobras na prática é menor que os R$ 0,46 anunciados pelo governo. Tocantins Nenhum dos cinco postos consultados em Palmas vendia, nesta quarta, diesel ou diesel S-10 com desconto de R$ 0,41. A maior redução aplicada chega a R$ 0,360 no diesel e a R$ 0,370 no diesel S-10. No posto que estava cobrando mais caro pelo diesel (R$ 3,770) e pelo diesel S-10 (R$ 3,800), a ANP verificou os valores de R$ 3,550 no diesel e R$ 3,650 no dia 21 de maio. O responsável pelo posto alegou que comprou uma grande quantidade de combustível logo após a paralisação e, por isso, não repassou o desconto para o consumidor. *Participaram do levantamento: Vitor Sorano, Amanda Polato e Ricardo Gallo (Pauta G1), Aline Nascimento (G1 AC), Andréa Resende e Cau Rodrigues (G1 AL), Patrick Marques e Eliana Nascimento (G1 AM), Jorge Abreu e Fabiana Figueiredo (G1 AP), Itana Alencar e Gabriel Gonçalves (G1 BA), Valdir Almeida (G1 CE), Braitner Moreira e Brena Oliveira (G1 DF), Viviane Machado (G1 ES), Paula Resende e Vitor Santana (G1 GO), Rafaelle Fróes e Rafael Cardoso (G1 MA), Alex Araújo e Flávia Cristini (G1 MG), Matheus Garrôcho (G1 Centro-Oeste de MG), Fellype Alberto (G1 Zona da Mata), Graziela Rezende (G1 MS), Lislaine dos Anjos e Lidiane Moraes (G1 MT), Jorge Sauma e Arthur Sobral (G1 PA), Diogo Almeida e Taiguara Rangel (G1 PB), Pedro Alves e Katherine Coutinho (G1 PE), Lucas Marreiros, Maria Romero e Andrê Nascimento (G1 PI), Luciane Cordeiro (G1 PR), Cristina Boeckel e Patricia Teixeira (G1 RJ), Toni Francis e Jonatas Boni (G1 RO), Igor Jácome (G1 RN), Alan Chaves e Inaê Brandão (G1 RR), Janaína Lopes (G1 RS), Carolina Holland e Mariana de Ávila(G1 SC), Anderson Barbosa (G1 SE), Bárbara Vieira Muniz (G1 SP), Júlia Martins (G1 Bauru e Marília), Luciano Calafiori e Pedro Spadoni (G1 Campinas), Francine Galdino e Paola Patriarca (G1 Itapetininga), Matheus Fazolin (G1 Sorocaba e Jundiaí), Carol Giantomaso e Arthur Menicucci (G1 Piracicaba), Patrícia Rennó (G1 Ribeirão e Franca), Heloisa Casonato (G1 Rio Preto e Araçatuba), Carlos Santos e Poliana Casemiro (G1 Vale do Paraíba), e Patrício Reis (G1 TO).

Metralhadora capaz de derrubar avião, fuzil e outras armas que iriam para SP são apreendidas em MS

Arsenal estava em carro cujo motorista foi preso. Metralhadora é igual a usada para matar traficante Jorge Rafaat. Metralhadora, fuzil e outras armas apreendidas em MS PRF/Divulgação A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu uma metralhadora calibre ponto 50, que é capaz de derrubar avião, outras armas e 1.680 munições, na tarde de segunda-feira (4), em Mato Grosso do Sul. Um homem foi preso com o arsenal que seria levado para o interior de São Paulo. O arsenal estava em um carro com placas de Curitiba, dirigido por um homem de 42 anos, parado pela PRF na BR-262, em Três Lagoas, a 313 quilômetros de Campo Grande. O motorista ficou nervoso diante das perguntas sobre o motivo da viagem, os policiais suspeitaram de algo ilícito e em revista mais minuciosa encontraram as armas e munições. Em fundo falso no painel do veículo foram encontrados a metralhadora com luneta e bipé, um fuzil 762, dois revólveres calibre 38, uma pistola calibre 22, 80 munições calibre ponto 50, 1.400 munições calibre 762, 200 munições calibre 5.56, dois carregadores 762 e dois carregadores ponto 50. A metralhadora apreendida é de modelo semelhante a usada para matar o traficante Jorge Rafaat, em junho de 2016, em Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia vizinha a Ponta Porã. O homem preso disse que pegou o carro já com o arsenal em Ponta Porã e receberia dinheiro para entregar em Piracicaba.

Polícia prende traficante que se passava por frentista para vender droga no plantão de trabalho

Homem é reincidente no crime. Segundo denunciantes, ele iniciava turno de trabalho às 20h e "vendia droga à noite toda". Prisão ocorreu em flagrante. Um homem de 38 anos foi preso em flagrante no início da madrugada deste domingo (3), em um posto de combustíveis de Três Lagoas, a 313 km de Campo Grande. Segundo a polícia, o suspeito é reincidente no crime de tráfico de drogas e estava vendendo aos usuários, durante todo o plantão noturno como frentista. Os policiais faziam rondas pela rua João Carrato, quando notaram grande movimentação de usuários no estabelecimento comercial. Eles então abordaram algumas pessoas e estas relataram que o suspeito iniciava plantão às 20h (de MS), sendo que "vendia droga à noite toda". Os denunciantes ainda ressaltaram que ele escondida o ilícito em um carro vermelho e tinha o cuidado de se despistar das câmeras de segurança e jogar a droga no chão, de maneira discreta, como disfarce, ainda conforme o depoimento. Minutos depois, os policiais encontraram um dos usuários conversando com o frentista. Eles foram abordados e a testemunha estava com 4 celulares, um tablete de droga e R$ 69. O usuário confessou que estava no local para comprar droga e que rotineiramente procurava o suspeito. Durante revista, ele estava com R$ 940 e, encontrada a chave do carro dele. Os militares vistoriaram o veículo e encontraram um bolsa preta, com porções de cocaína e objetos usualmente usados como "moeda de troca", como uma máquina de cortar cabelo, frascos de xampu, creme, pulseira magnética e um relógio de pulso. No bolso do suspeito também foi encontrado um cartão em nome de um dos denunciantes. O suspeito indicou o endereço da sua casa e a equipe foi até lá, porém não encontrou nada. O suspeito já possui condenação pelo mesmo crime e, diante a veracidade das denúncias, os policiais o encaminharam para a Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) da cidade, efetuando a prisão em flagrante por tráfico de drogas. A pena para o crime varia de 5 a 15 anos de prisão.

Jacaré ataca e mata cachorro durante passeio de família em lagoa urbana de MS; veja vídeo

Cena foi filmada e divulgada nas redes sociais, o que provocou centenas de compartilhamentos e muita polêmica entre os moradores da cidade. Momento em que jacaré abocanha cachorro em MS G1 MS Um cão foi atacado e morto por um jacaré na Lagoa Maior, que norteia a região urbana de Três Lagoas, na região leste do estado. O fato ocorreu na tarde dessa quinta-feira (31) e teve as imagens e vídeos divulgados nas redes sociais, o que provocou centenas de compartilhamentos e muita polêmica entre os moradores da cidade. Muitos questionam o compartamento dos pais, de deixarem a criança e o cachorro entrarem na água e ainda ressaltam que existem placas avisando sobre o perigo dos animais selvagens. Uma operadora de máquinas, de 32 anos, que prefere não se identificar, presenciou a cena. Enquanto fazia fotos, a filha dela, de 10 anos, estava com a câmera do celular ligada e filmou o ataque. "Eu moro no bairro Interlagos, fica a 2 quadras da lagoa. Minha filha frequenta este local há muito tempo, hoje minha filha mais velha está com 14 anos e desde bebê nós a trazemos aqui. No vídeo, dá pra ver o certinho o momento em que o jacaré abocanha o cachorrinho", afirmou ao G1. Conforme a mulher, o fato ocorreu por volta das 16h (de MS). "Ali tem bastante capivara, tartaruga, jacaré e nós estávamos perto do novo cercado, do outro lado da lagoa. De longe, observei que a criança estava entrando sem parar na água e inclusive poderia ter sido ela a vítima do jacaré. Os pais pareciam nem dar bola e o cachorro também entrou na água, quando, de repente, ouvimos o barulho do animal chorando alto e o jacaré já com ele na boca", comentou. Jacaré ataca e mata cachorro em lagoa de Três Lagoas, MS Pouco tempo depois, os pais e criança foram embora. "Ninguém se posicionou. O menino ficou chorando por um tempo e pronto. Todo mundo sabe, ali tem placas falando sobre os animais silvestres e todos sabem que não devem levar animais domésticos. Minha filha até agora está traumatizada, ela nem conseguiu se concentrar na filmagem e chorou vendo o cachorrinho morrendo", lamentou. Internautas disseram que houve irresponsabilidade dos pais. Na postagem, a internauta Danielle Garcia Dias comenta: "Pra mim a culpa é da família... pois todos estão carecas de saber , e já viram e ouviram os relatos de acontecidos na lagoa! Então! Cada cabeça com sua sentença....Esse "casal " colocou em risco a vida do próprio filho e propositalmente deixou seu animal de estimação ser atacado... sendo que o mesmo deveria estar de coleira !!!" Kellen Cristina Silva concorda: "Se quer levar, que seja na coleira pra não acontecer isso que aconteceu com coitadinho do cachorro que triste". Nara Alexandre, em seguida, fala a sua opinião: "...se lá tinha placa proibindo q entre na água pq deixou o cachorro e a criança entrar foi o cachorro e se tivesse sido a criança não seria pior...que sirva de exemplo", finalizou.

Som, bebida e tendas ficam nos caminhões por conta do protesto e Festa do Milho é adiada em MS

Evento que ocorreria em 3 dias teve programação alterada somente para sábado (26). Moradores da cidade, no entanto, dizem que apoiam a categoria. Festa do Milho é evento tradicional no município de Jateí Reprodução/TVTEM Os três dias da tradicional Festa do Milho, muito esperados pelos moradores de Jateí, a 248 km de Campo Grande, foram "enxugados" somente para este sábado (26), com programação que inicia às 19h (de MS). A paralisação dos caminhoneiros afetou as vias de acesso nas rodovias, impedindo a chegada de materiais como som, bebidas e até mesmo as tendas transportadas pelos caminhões. "A maioria das pessoas aqui apoia o movimento, mas, sente muito pela festa, que é esperada demais pelos munícipes. Ela começaria hoje e se estenderia até o domingo, com comidas típicas. Os moradores todos se preparam com barracas, fazem os pratos, então é algo que nos entristeceu. A laçada também foi adiada e deve ocorrer somente em junho", afirmou ao G1 a vendedora Jaqueline Alves da Silva, de 24 anos. Um dos envolvidos no evento, que transportaria bebida e prefere não se identificar, diz que a festa é muito importante para o desenvolvimento econômico e social da cidade. "Muitas pessoas visitam a cidade e a expectativa de público era muito grande. As pessoas fazem pamonha, curau, sopa paraguaia e caldo, entre outros. Eu participo e trabalho há 5 anos, mas, sabemos que eles lutando pelos direitos deles e apoiamos 100%", comentou. Veja na íntegra a nota da prefeitura de Jateí: A tradicional Festa do Milho do município de Jateí que será realizada neste final de semana acontecerá apenas no sábado (26/05) com a programação normal prevista para o dia, e entrada franca no Parque da Fogueira com inicio previsto para as 19h. No local haverá diversos estandes com grupos de entidades de Jateí servindo variados pratos à base de milho, como também comidas regionais e tradicionais no município, como churrasco, tapiocas, porções e lanches. Animando a noite no palco principal estará a dupla João Haroldo & Betinho e bailão com o Grupo Postal Sul, e ampla área de brinquedos. O prefeito Eraldo Leite explica que toda comissão organizadora esta empenhada, e por motivos de logística foi necessário deixar a 14ª Festa do Milho apenas para o dia 26 de maio. “A programação do dia continua a mesma, visando qualidade e quantidades dos produtos oferecidos” diz o prefeito que completa “Será um grandioso evento, que você de Jateí e região traga sua família e venha comemorar conosco esta tradicional Festa do Milho” convida o prefeito. A diretoria do Circuito de Laço Intermunicipal decidiu pelo adiamento da 1° etapa que aconteceria nesse próximo final de semana (25, 26 e 27 de maio) por conta da paralisação das vias de acesso nas rodovias e o consequente impedimento de materiais para realização da etapa como som, bebidas, tendas que são transportados por meio de caminhões. Logo fica adiada a 1° etapa do CLI para o próximo final de semana dia 1, 2 e 3 de junho.

Sem caminhão, Porto de Ladário para escoamento e, sem leite, laticínio reduz produção 

Motoristas nem chegaram fazer carregamento na mineradora. Laticínio também diz que não conseguem enviar produção já realizada em Dourados.  Caminhões parados em mineradora de Ladário por conta do protesto Cleto Kipper/TV Morena Cerca de 30 caminhões que transportam minério para o Porto, em Ladário, a 410 km de Campo Grande, estão parados no pátio da empresa desde o início da manhã desta quinta-feira (24). Os motoristas prestam serviço terceirizado e nem chegaram a fazer o carregamento na mineradora, segundo informações apuradas pela reportagem da TV Morena. Há 2 semanas, após 5 anos sem escoamento pela falta de produto e logística, houve a retomada. O 1° embarque de soja no município ocorreu no dia 9 de maio, com o escoamento dos grãos pelo rio Paraguai, na fronteira do Brasil com a Bolívia. A programação era de enviar 35 mil toneladas, divididas em 16 barcaças até a cidade de Rosário na Argentina. Na região sul do estado, o laticínio Cambi reduziu a produção por falta de matéria prima. Os responsáveis também informaram que eles não conseguem enviar a produção já realizada em Dourados. Ao todo, foram registrados cerca de 40 pontos de interdições em rodovias estaduais e federais, afirmam polícias. Neste 4° dia, os reflexos já "pesam no bolso" dos consumidores, com falta de combustível e preços reajustados de diversos produtos. Confira os locais: Em Campo Grande, a manifestação começou por volta das 6h (de MS), na BR-163, altura do km 642, km 491, km 324 e km 477. Em Dourados, na região sul do estado, a manifestação ocorre na rodovia, altura dos km 266 e km 256. No município de Maracaju, eles estão na BR-267, altura do km 364. Já em Eldorado, eles estão na BR-163, altura do km 39. Em Naviraí, na BR-163, altura do km 117. Em Caarapó, mesma rodovia, altura do km 206. Na região de fronteira, os manifestantes estão na BR-463, altura do km 548. Em Nova Alvorada do Sul, o protesto é na BR-267, km 246. Na cidade de Rio Brilhante, eles estão na BR-163, km 324. Hoje Terenos iniciou o protesto na Br-262, altura do km 383. Já em Bandeirantes, o protesto será na altura do km 548. Em São Gabriel do Oeste, o protesto será na BR-163, km 614 e km 618. No município de Rio Verde, será na BR-163, altura do km 679. Em Paranaíba, na BR-158, km 96 e km 94, km 93 e km 91. Na cidade de Cassilândia, os caminhoneiros estão no km 5 da BR-158 e, em Chapadão so Sul, estão na BR-060, no km 11. Em Sidrolândia, na BR-060, km 431. Em Três Lagoas, na BR-262, km 5. Brasilândia tem protestos na BR-158, km 329, Bataguassu, na BR-267, km 38 , Camapuã na BR-060, km 204. Em Paraíso das Águas, na BR-060, km 62. Na MS-276, o protesto ocorre no km 172 em Nova Andradina. Na MS-134, eles estão parados no km 01, entroncamento entre Batayporã e Anaurilândia. Na MS-306, altura do km 204. Na MS-112, altura do km 206. Na MS-497, altura do km 019 em Paranaíba. Na MS-386, altura do km 075, em Amambai. Na MS-376, perímetro urbano de Dourados. Na MS-163, entre Vista Alegre e Ponta Porã. Na MS-384, na rotatório BR-060, entrada de Bela Vista. Na MS-162, km 099, entre Sidrolândia e Maracaju, perto do posto Litro na BR-463. Na MS-141, km 094, no trevo com a MS-246, entre Naviraí e Ivinhema. Ladário retomou exportação de grãos após 5 anos Granel Química Ltda/Divulgação

Copa e eleições podem adiar cronograma de desligamento do sinal analógico, diz Anatel

De acordo com Juarez Quadros, presidente da agência, adiamento deve atingir cidades onde desligamento estiver programado para períodos próximos aos dois eventos.  O presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Juarez Quadros, afirmou nesta quarta-feira (23) que o desligamento do sinal analógico de TV pode ser adiado por causa da Copa e das eleições. Segundo Quadros, nos locais onde não for atingido o índice de 90% de residências aptas a receberem o sinal digital e o desligamento estiver programado para uma data muito próxima à Copa ou às eleições, o corte do sinal analógico deve ficar para depois desses eventos. "Se não deu 90% [de residências aptas a receber o sinal digital], não dá para desligar no meio da Copa. É meio arriscado", disse. Copa Na programação da agência, o desligamento nas cidades de Aracaju (SE), Belém (PA), João Pessoa (PB), Maceió (AL), Manaus (AM), Natal (RN) e Teresina (PI) está programada para 30 de maio, sendo que a Copa começa no dia 14 de junho. Já o desligamento nas cidades de Boa Vista (RR), Campo Grande (MS), Cuiabá (MT), Macapá (AP), Palmas (TO), Porto Velho (RO), Rio Branco (AC) está programado para 14 de agosto, sendo que o horário eleitoral gratuito começa no dia 31 de agosto. O presidente da Anatel explicou que, normalmente, a agência pode estender em duas ou três semanas o prazo para o desligamento até que a cidade atinja o índice de 90%. Entretanto, para não não prejudicar a transmissão dos jogos da Copa e da propaganda eleitoral, esse prazo pode ser maior nessas cidades. "Se for passar por um período mais longo até atingir 90%, é preferível deixar pelo menos passar [a Copa ou as eleições]", explicou, o presidente da Anatel.

Últimos posts
Visitantes nos últimos 30 dias - 3.023.548 | Média Diaria: 100.785